quarta-feira, 24 de outubro de 2012

A colonização alemã foi consumada

O Guardian tem mantido um excelente blog, com várias atualizações por hora, sobre o desenrolar da crise do Euro. 
Aqui fica um apanhado de hoje:
  • O Ministério das Finanças alemão enviou ao Governo grego uma lista de exigências, como a criação de uma conta para onde iriam diretamente parte das receitas do Estado grego, sem que os gregos pudessem mexer nela; a Grécia necessitaria de pedir autorização para contrair dívida; a Grécia receberia "consultoria" técnica obrigatória em matérias como corrupção e impostos, etc.
  • Um jornal alemão anuncia que a Grécia vai receber mais dois anos para atingir os objetivos da austeridade.
  • Mario Draghi está hoje no parlamento alemão para dar explicações sobre a actuação do BCE na crise.
  • Governo alemão diz que não há extensão do prazo.
  • O governador do Bundesbank faz uma conferência de imprensa com Mario Draghi no parlamento alemão.
Leia-se as frases acima, trocando "Alemanha" por "Eslovénia" (que em teoria tem o mesmo poder que a Alemanha na estrutura europeia), e perceber-se-á o ridículo a que chegámos.
A deslocação de Dragi ao Bundesbank é particularmente vergonhosa, porque de acordo com os tratados, o BCE não responde perante ninguém. Se respondesse deveria ser perante o Parlamento Europeu. Nunca se viu o presidente do banco central espanhol a sujeitar-se a perguntas do parlamento da Galiza... até hoje.