quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

As andanças de um mercenário, perdão, de um ex-espião

A inevitável Valentina Marcelino informa-nos hoje de que o ex-pide, perdão, ex-SIED Jorge Silva Carvalho, começou a trabalhar na Ongoing, empresa com ligações directas ou indirectas «aos do costume» (José Eduardo Moniz e Paulo Teixeira Pinto). Imagino que as «informaçõezinhas» obtidas por Silva Carvalho, por meios  lícitos ou ilícitos, serão muito úteis aos seus empregadores, perdão, serão mantidas no segredo a que o seu cargo de funcionário público obriga, perdão, obrigava quando o exercia.

Já após a demissão, a criatura deu uma entrevista a Valentina Marcelino (sempre esta mulher fatal), em que se queixou dos cortes orçamentais no SIED. E no entanto, nos serviços de «informaçõezinhas» há quem ganhe (a acreditar na wikipedia) salários superiores ao do Presidente da República. O que é obsceno, num país em crise e quando estamos a falar de um serviço que nada produz e cujo ex-director sempre defendeu o seu sagrado direito a escutar as nossas conversas privadas. Quando Sócrates promoveu esta gente, criou um perigo para a democracia. Mas a Ongoing agradece-lhe.

3 comentários :

  1. Vale a pena lembrar que a justificação original (salazarista, penso eu) para o facto de os funcionários públicos não poderem ser despedidos tem a ver precisamente com o evitar que eles passem para o setor privado as informações e conhecimentos que adquiriram enquanto funcionários públicos.

    É claro que esta justificação original já está quase completamente esquecida. Atualmente os funcionários públicos não podem ser despedidos simplesmente porque é mais cómodo para eles terem emprego para a vida toda.

    ResponderEliminar
  2. Como é possível
    que se refira a esta gente,

    esta gente não criou um perigo para a democracia.

    Vá consultar livros

    Os livros são muito claros

    Esta gente tal como o candidato único é estrutural mente honesta

    na situação em que o país se encontra é essa gente que conseguirá empurrar o país no bom sentido

    uma palavra final este é um tempo de Natal este é o tempo das mulheres das mulheres que fazem Milagres com o orçamento que são mulheres dessa gente e lhes tratam dos filhos

    ao insultar essa gente insulta as mulheres

    um Santo Natal e tenha esperança
    que o nosso candidato logo nos dá o rumo para empurrar o país

    e ele também será presidente dessa gente que vocemecê quer alienar






    você não merece mais respostas
    você que não nasceu duas vezes

    ResponderEliminar
  3. Luís Lavoura disse...

    Vale a pena lembrar que a justificação original (salazarista, penso eu) para o facto de os funcionários públicos não poderem ser despedidos

    Bento de Jesus Caraça e milhares de outros eram funcionários despedidos

    a maior parte dos funcionários públicos no regime salazarista não eram efectivos eram contratados

    tirando o exército a polícia e demais poder judiciário

    havia muitos agregados...só ao fim de uns anitos passavam a efectivos até lá

    e eu a pensar que estes gajos eram de história

    ResponderEliminar

As mensagens puramente insultuosas, publicitárias, em calão ou que impeçam um debate construtivo poderão ser apagadas.