quinta-feira, 30 de julho de 2009

relembrar as diferenças

«[...] Para o quinto lugar a distrital de Lisboa escolheu o ex-ministro da Ciência e do Ensino Superior Pedro Lynce Faria, que ocupou também a pasta da secretaria de Estado do Ensino Superior [...]»

[PÚBLICO.PT --- 22.07.2009]

ainda alguém se lembra dele? eu lembro-me. lembro-me precisamente do que fez enquanto ministro da ciência: nada de nada (sim, eu sei, esta era particularmente fácil de recordar). também me lembro de quem se lhe seguiu, com aquela linda medida de apoio aos investigadores com 100 artigos (publicados não interessa onde --- critérios de exigência e qualidade para quê?!) com... imagine-se... 200 citações! não sei se isto é para rir ou para chorar, ou se simplesmente a então ministra da ciência não sabia somar...

mas o que eu gostava era de contrastar com isto:

«[...] Portugal foi o país europeu em que a despesa em I&D mais cresceu entre 2005 e 2007, passando esta a representar globalmente, e pela primeira vez, 1,2% do PIB nacional (1.972 MEuros, quando em 2005 era de 1.201 MEuros) e, portanto, os níveis já atingidos por Espanha (1,2%), próximos da Irlanda (1,3%) e superiores aos dados disponíveis de Itália (1,1%). [...]

Este aumento da despesa das empresas em I&D reflecte a acumulação de investimento público e muito especialmente o seu reforço durante esta legislatura, assim como o esforço do sector privado em acompanhar o desenvolvimento científico e a capacidade tecnológica instalada em Portugal. [...]»


[MCTES | Notícias --- 23/07/2009]

«[...] Menos de quarto anos após Portugal e Espanha terem assinado o acordo para criar a instituição, as instalações do Laboratório Internacional Ibérico de Nanotecnologia foram dadas a conhecer hoje pela primeira vez. Este será o primeiro laboratório no mundo dedicado à nanotecnologia com um estatuto legal internacional e tendo estados como membros, permitindo assim oferecer as melhores condições aos mais talentosos investigadores de todo o mundo para que estes possam desenvolver investigação de topo em nanotecnologia. Independentemente da área de investigação, este é de resto o primeiro laboratório internacional localizado na Península Ibérica. [...]

O INL é o primeiro Laboratório deste tipo especializado em nanotecnologia, tendo um enquadramento legal semelhante ao CERN, o laboratório internacional de física de partículas em [Genève] reconhecido pelas suas muitas contribuições para a física de partículas e por ter inventado a WWW – World Wide Web. O enquadramento legal do INL é também semelhante ao do EMBL, o laboratório Europeu de biologia molecular em Heidelberg, e a poucos outros laboratórios dedicados a outras áreas investigação. [...]

Do total de 400 pessoas que irão trabalhar nas instalações do INL, 200 delas serão cientistas que desenvolverão projectos no âmbito das quatro principais áreas de investigação do Laboratório. Este processo de recrutamento está actualmente em curso, sendo que estes cientistas juntar-se-ão a um grupo de quase 40 alunos de doutoramento e investigadores de pós-doutoramento que estão já a trabalhar em Universidades e Centros de Investigação em Portugal, Espanha e outros países da Europa, América do Norte e Ásia. [...]»


[MCTES | Notícias --- 20/07/2009]

«[...] José Luís Zapatero recordou igualmente “a época dos navegantes” para deixar claro que os dois países “mostram agora vontade de conseguir, no Atlas do futuro, novos descobrimentos”. “Este centro surge de um forte compromisso de progresso e cooperação entre povos. Foi ideia, projecto e agora realidade de investigadores, ministros, funcionários, empresas e especialmente do primeiro-ministro José Sócrates, que demonstrou todo o empenho na concretização deste projecto histórico”, disse. [...]»

[Ciência Hoje --- 2009-07-17]