sábado, 13 de junho de 2009

o horror no horizonte

«[...] "Não creio que honestamente alguém possa responder a uma pergunta destas, porque, neste momento, ninguém é capaz de prever qual é que é o cenário macroeconómico de 2009. Com todas as imponderáveis que existem, não é possível, com correcção, dizer-se que medidas é que na altura sejam adequadas para executar a política que nesse momento é necessária."
Dr.ª Manuela, Público, 21 de Maio de 2008

Visão para o país
    ‘O país não tem dinheiro para nada.’
    Dr.ª Manuela, TVI, 1 de Julho de 2008
Funções do Estado
    Interrogada sobre quais os serviços públicos que podem ser entregues à gestão e exploração privada, a líder do PSD responde: ‘Em princípio todos, à excepção das verdadeiras funções de defesa de soberania – a Defesa, a Segurança, a Justiça e os Negócios Estrangeiros. Esses penso que não podem ser entregues a nenhuma gestão e exploração privada. Todos os outros evidentemente podem.’
    Dr.ª Manuela, Público, 23 de Maio de 2008
Precariedade do trabalho
    ‘Qualquer trabalho que se arranje tem sempre um aspecto de precariedade’, esse aspecto é ‘positivo’.
    Dr.ª Manuela, Lusa, 27 de Maio de 2008
Crédito (agravamento dos juros)
    ‘Ora, não há forma de corrigir este desequilíbrio a não ser pela restrição à concessão de crédito com o consequente agravamento dos respectivos encargos. […] Qualquer destas consequências implica um desincentivo ao crescimento económico.’
    Dr.ª Manuela, Expresso, 28 de Junho de 2008
Complemento Solidário para Idosos
    ‘Trata-se de um típico caso de uma promessa política demagógica porque ela é provavelmente inexequível para a maioria dos que dela realmente necessitam. […] Mas discordo ainda desta decisão porque entendo que todos os apoios desta natureza que são dados directamente aos beneficiários […] não são eficazes do ponto de vista social, o que deve ser o objectivo pretendido. […] Acredito que a eficácia dos apoios não passa por subsídios directos, mas antes pelo impulso efectivo às instituições que, por uma questão de proximidade, podem prestar serviços directos […]’
    Dr.ª Manuela, Expresso, 4 de Março de 2006
Saúde
    ‘A política da saúde vai ter muita dificuldade em ser financiada da forma como é. Considero que o SNS gratuito ou tendencialmente gratuito para todos é um aspecto que provavelmente vai ter de ser revisto.’
    Dr.ª Manuela, Lusa, 26 de Maio de 2008
Casamento entre pessoas do mesmo sexo
    A família tem como objectivo a procriação. […] Admito que esteja a fazer uma discriminação porque é uma situação que não é igual. Chame-lhe o que quiser, não lhe chame é o mesmo nome. Uma coisa é o casamento, outra é outra coisa qualquer.’
    MFL, TVI, 1 de Julho de 2008
Violência doméstica
    ‘Qual deve ser o grau de empenhamento do Estado no combate ao problema da violência doméstica?’
    Dr.ª Manuela: ‘Não creio que ele se resolva. Tem de ser acompanhado e tem sempre de ser tido em atenção que é um fenómeno que existe.’
    Público (28 de Maio de 2008)
Paridade
    Inquérito do Público aos candidatos à liderança do PSD (26 de Maio de 2008). Tema A Justiça de instituir a paridade por lei.
    Resposta da Dr.ª Manuela: ‘Não e não’. [...]»


[Câmara Corporativa --- Junho 07, 2009]