sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Pastiche anti-darwinista

  • «Os sentidos da história pululam por tudo quanto são parcelas de ciência, filosofia e ideologia. Até parece a alguns que não fica espaço nenhum para o sentido da fé teológica cristã. (...) Sobretudo não podemos embarcar num louvor tão acrítico que possa levar a uma transposição da teoria darwiniana para todos os campos do real. Tal já aconteceu. (...) O evolucionismo ideológico apresenta os dados científicos para tirar conclusões ideológicas em série que não têm ligação científica com esses dados nem com as intenções de Darwin. Como são, tudo é obra do acaso, logo, não há Deus, nem Ele criou nada; logo, tudo sucede sem sentido “recebido”; logo, o marxismo-leninismo ateu está justificado (...) Hoje os perigos espreitam mais no que resta do darwinismo social e, sobretudo, na nova coqueluche que é a evolutionary psychology. Já para não falar da forma como um certo darwinismo popularizado inspirou e inspira a racionalização do capitalismo. (...) » (1,2)