sábado, 28 de fevereiro de 2009

Entre eles...

Aqui no sul profundo vou-me divertindo a ver a direita às voltas com a realidade. Depois de 8 anos em que o eleitorado lhes deu tudo (presidente, congresso e senado) quase todo o tempo, a direita americana vive num pesadelo.

Como todos os membros de seitas, os americanos conservadores estão perdidos e humilhados. As profecias não se realizaram e os deuses e os líderes por quem eles se prejudicaram e por quem renunciaram às coisas boas da vida foram apanhados a mentir e a roubar, com a calosidade miserável dos sociopatas. Milhares de americanos perderam filhos nesta guerra irracional, milhões perderam o emprego, a casa, as poupanças, a reforma e a esperança, e parece-lhes cada vez mais impossível continuar a enterrar a cabeça na areia e a repetir, como a determinação autista que os caracteriza "W is a good man".

E agora? A arrogância e os insultos não funcionam porque os democratas têm o poder por quatro anos. A menos que haja uma catástrofe.

Os defensores do neo-liberalismo defendem-se como podem, com argumentos patéticos e desculpas manhosas. Lembram-nos os quiromantes e vedores do documentário de Dawkins. Não pode ser, acham eles. Mas é verdade: o mundo está mais pobre, mais sujo, mais violento, mais triste e mais injusto depois de 8 anos de governo por um presidente evangélico que falava com Jesus todas as tardes.

E agora? Damos uma oportunidade ao racionalismo? Parece que não! Como os idiotas que se prepararam para o fim do mundo em 1999 e que agora andam a dizer que o fim do mundo é em 2012 (uma profecia Maia...), os mamíferos do Partido Republicano ainda não estão convencidos...

Não há cura para a espécie humana.