quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

A fascização da ICAR

Praticamente desde o início do reinado de B16 que o Diário Ateísta alertou que Ratzinger planeava abrir as portas aos lefebvristas, a ala abertamente fascista, lunática, do catolicismo.

Concretizada há poucos dias, a reconciliação com os fascistas que Ratzinger expulsara a contra-gosto já causa problemas: «descobriu-se» que um dos quatro bispos nomeados por Lefebvre, o inglês Williamson, nega o genocídio dos judeus às mãos dos nazis, que reduz a «200 ou 300 mil mortos». Não é nada que o Diário Ateísta não tivesse já noticiado em 2005. Falta aos media tradicionais «descobrirem» que outro dos bispos lefebvristas considera que «os judeus são os mais activos artesãos da vinda do anti-cristo».

O rabinato de Israel, entretanto, cortou relações com o Vaticano, o que permite a B16 manifestar-se incomodado, ele que conhece estes rapazes de gingeira. Sabe bem que dentro de duas semanas os media já terão esquecido que a unidade da ICAR ratzingeriana se faz à custa dos «católicos progressistas» (uma espécie em vias de desaparecimento nos dias que correm), e graças à pitoresca «Fraternidade São Pio X».

Resta saber que os desexcomungados repudiam que as mulheres católicas casem com ateus (seria «conduta cruel e atroz», caro Policarpo), que defendem que a pena de morte «é um ensinamento tradicional da ICAR» (ouviste, Bento Domingues?), que a Inquisição «deve ser reabilitada» (explica lá, Anselmo...) e que os católicos «não têm nada de que se envergonhar no trabalho passado deste santo tribunal». Visitai e pasmai.

[Diário Ateísta/Esquerda Republicana]