sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

Prioridades

Quando a ICAR fala da dignidade da pessoa humana, nove em cada dez vezes não se trata de crianças com fome, de adolescentes obrigados a lutar em guerras que não lhes dizem respeito, adultos sem emprego, ou velhos sem reforma. Estas coisas nunca fizeram grande impressão a bispos e cardeais, que sabem que o poder da organização depende das aristocracias e oligarquias que os protegem.
A expressão ‘dignidade da pessoa humana’ aplica-se quase sempre a óvulos, espermatozóides e embriões. Quando nascemos deixamos de lhes interessar (a menos que tenhamos dinheiro ou poder, mas isso é outra história).
E é assim: num planeta em que se mata e tortura por razões políticas, em que os frabricates de armas organizam guerras, metade da população vive na pobreza mais abjecta, os oligarcas do capitalismo selvagem global destroem o ambiente e as diferenças entre ricos e pobres não param de aumentar, o que verdadeiramente preocupa o Vaticano é a fertilização in vitru...