quinta-feira, 23 de outubro de 2008

estalou o verniz vermelho na venezuela

«[...] O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, rompeu com o Partido Comunista (PCV) e com outros sectores de esquerda que o apoiaram durante 10 anos, acusando-os de "mentirosos, desleais e contra-revolucionários", por apoiarem candidatos estaduais e municipais alheios ao seu agrupamento político, o PSUV [...]

"Encarregar-me-ei pessoalmente de que desapareçam do mapa político venezuelano", assegurou. [...]

Oscar Figuera, secretário geral do PCV, disse à IPS que as palavras de Chávez foram "injustificadas e gratuitas", [...] "no terreno eleitoral, das 22 candidaturas a governadores apresentadas pelo PSUV, apoiamos 17" [...]

Chávez, que percorre o país em apoio aos seus candidatos, chama "traidores" e "vendidos" aos dissidentes, assegura que os afastará do mapa político e endureceu o discurso face aos opositores, qualificando a alguns de "imbecis" e ameaçando não entregar recursos aos governos locais que "conspirarem" contra as suas políticas. [...]»


(Esquerda.Net --- 20-Out-2008)