segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Educação - III

Assumindo que a instrução deve ser gratuita e universal, qual será o melhor sistema de ensino para esse fim? A solução do cheque-ensino é justa e eficaz?

Neste blogue citei um artigo que explicava porque é que não.

Assumindo agora que existe um sistema de ensino público robusto, complementado por algumas escolas privadas cujo programa curricular é escrutinado (pelas razões expostas nos textos anteriores), interessa lançar outras questões.

A escola deve limitar-se a instruir, deixando outros aspectos da educação para os progenitores?

Alguns dos que o defendem temem que o estado use o sistema de ensino como uma ferramenta de propaganda. A ideia está longe de ser disparatada. A promoção de ideais nacionalistas, de regimes ditatoriais, de valores anacrónicos, tudo isso aconteceu em diferentes escolas pelo mundo fora. Se o estado tem legitimidade para veicular valores, o que nos garante que são os valores certos e não a propaganda conveniente?

O problema desta argumentação está apenas na ausência de alternativas. Se todos os aspectos educativos à excepção da instrução estão nas mãos dos progenitores, o que nos garante que ao educando não está a ser vedado nenhum aspecto educativo fundamental? Há certos sistemas de valores que mesmo que não adopte é importante que tome contacto. Acrescente-se que este contacto não favorece apenas o indivíduo como também a comunidade em que o mesmo está inserido. Isto é ainda mais importante numa democracia, em que os educandos acabam por se tornar eleitores, cujas decisões, mais ou menos responsáveis, afectam toda a comunidade.

E é desta mesma democracia que nos temos de valer para evitar que a educação escolar se torne uma ferramenta de propaganda política. É preciso alguma vigilância para garantir que o sistema educativo da comunidade não se limita à instrução, mas não chega à endoutrinação. Ninguém disse que a democracia era fácil.