quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Juiza e ciganos

Bem a propósito daquilo que escrevi no texto anterior, venho agora a saber, pelo SOS Racismo, que:

«Ana Gabriela Freitas, juíza do Tribunal de Felgueiras, proferiu na terça-feira uma sentença onde faz considerações polémicas à comunidade cigana. São "pessoas malvistas socialmente, marginais, traiçoeiras, integralmente subsidiodependentes": eis algumas das frases que constam num acórdão a que a Lusa teve acesso.»

Fiquei sem perceber se era acordão ou sentença, visto que a notícia do Correio da Manhã diz ambas as coisas. Vou assumir que foi uma sentença.

Com que autoridade faz uma juiza este tipo de considerações opinativas numa sentença é uma pergunta que gostaria de ver respondida.
Apenas deveria interessar à justiça aquilo que os arguidos terão feito - as provas, os indícios, os actos. Deveria ser irrelevante a comunidade a que estes pertencem e a opinião da juiza a respeito desta.

Ou muito me engano, ou colocar este tipo de considerações numa sentença é fazer troça do princípio da igualdade.